Sobre acessibilidade

Serviços

13/11/2017 - 21:30

O projeto que previa inicialmente a reforma e adequação do Parque do Utinga se expandiu e levou melhoria de qualidade de vida para 200 famílias que moram no bairro do Curió-Utinga, no entorno do PEUt. Áreas onde a ocupação desordenada ficou localizada dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) e que sofriam constantemente com os alagamentos, hoje vivem uma outra realidade por conta de diversas ações do Governo do Pará.

Cheque Moradia, Credcidadão, cursos de qualificação profissional, saneamento básico, asfalto e pintura das fachadas de casas foram alguns dos benefícios que a população recebeu. O projeto “Viva o entorno do Utinga” é uma ação integrada que envolve diversos órgãos estaduais, dentre quais a Companhia de Habitação do Pará (Cohab), Secretaria de Administração (Sead), Fundação Cultural do Pará (FCP) e Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), com a articulação do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC).

De acordo com Alice Viana, secretária de Administração, o projeto "Viva o entorno do Utinga" é feito por muitas mãos e tem como objetivo conscientizar a comunidade quanto ao seu papel na preservação desse espaço. “São várias secretarias e parceiros trabalhando juntos e de forma integrada para melhorar a qualidade de vida dessa população. Queremos que eles se conscientizem de que também são responsáveis por preservar essa área. A pintura das casas, por exemplo, é um trabalho de valorização e melhoria da autoestima da comunidade, que atrairá muitos olhares. Os cursos que algumas famílias participaram, por exemplo, as capacitou para a criação de suvenires que posteriormente serão vendidos para os visitantes do Parque, garantindo trabalho e renda para as pessoas” explicou.

Dentre as ações estão os projetos “Cultivando Flores e Vida” e “Utinga Sustentável”, o cadastramento de microempreendedores para recebimento do CredCidadão e de famílias para recebimento do Cheque Moradia. Os projetos já capacitaram dezenas de pessoas para desenvolver atividades que hoje lhes asseguram hoje trabalho e renda. Já os créditos, ajudaram a alavancar pequenos negócios, e o benefício habitacional a melhorar as condições de moradia de centenas de famílias.

“No projeto Cultivando Flores e Vida, por exemplo, capacitamos 25 pessoas para trabalhar com o cultivo de flores e hortaliças. Em contrapartida, elas nos ajudaram a trabalhar a área ornamentada do bairro. Hoje muitas famílias aumentaram sua renda cultivando mudas de plantas e vendendo-as”, detalhou Pâmela Massoud, diretora de desenvolvimento comunitário do NAC.

Lene Araújo foi uma das mulheres capacitadas com o projeto e conta que ele mudou sua vida e a de sua mãe. “Hoje trabalho com mudas e multiplicação de espécies junto com minha mãe e outras mulheres da nossa comunidade. Aprendemos a cultivá-las de forma adequada e agora vendemos as mudas em feiras. Quando o Parque abrir, tenho certeza que as vendas aumentarão ainda mais. Estava sem trabalhar e isso surgiu para nos ajudar a ter uma fonte de renda”, contou.

Em agosto deste ano também foi iniciado o Projeto Utinga Sustentável, que ajudou a eliminar o despejo de resíduos na adutora, prática antes comum entre os moradores da área. “Inicialmente fizemos um extenso trabalho de mobilização e conscientização ambiental, e depois, com o projeto, formamos dezenas de catadores empreendedores. Os que se interessarem receberão cartas de crédito por meio do CredCidadão para a aquisição de maquinário de coleta de resíduos, o que contribuirá para manter a área limpa e gerar renda para as famílias. Também aproveitamos para anunciar as obras da primeira estação de coleta seletiva do Estado, onde os carrinheiros poderão despejar os resíduos que recolhem de forma correta e os catadores poderão encontrar seu material de trabalho mais facilmente”, adiantou Pâmela Massoud. 

CredCidadão – Para conceder o benefício aos moradores da áreas, equipes do governo foram até o local, fizeram um levantamento dos pequenos negócios existentes ali e iniciaram o cadastramento das pessoas que se interessaram em participar do programa. Até o momento já foram distribuídas mais de 20 cartas de crédito, em valores que vão de R$ 2 mil (para quem vai começar um negócio) a até R$ 5 mil (para quem já tem um). 

“Dividimos a ação em dois momentos, primeiro o cadastro, depois a orientação e a entrega de microcrédito. Ao todo, foram distribuídos mais de R$ 60 mil. Num segundo momento distribuiremos mais 21 cartas de crédito, o que já deve acontecer no final de novembro, ou seja, de forma direta estamos beneficiando mais de 40 famílias com a melhoria de seus negócios ou abertura de um, gerando emprego e renda para essas pessoas que precisavam alavancar seus negócios, mas não tinham capital de giro ou equipamentos necessários para isso”, comemorou Tetê Santos, diretora do CredCidadão.

Hoje, diversos mercadinhos, padarias e salões de beleza, entre outras microempresas, foram abertas, tudo com auxílio direto da equipe do projeto, que ajudou, inclusive, na orientação financeira e na produção de plano de negócio de cada um desses pequenos empreendimentos. 

“É de se louvar a iniciativa do governador Simão Jatene ao adotar essas ações. Seria mais fácil desapropriar e indenizar essas pessoas, mas ele escolheu dar condição digna de vida e de moradia, para que elas pudessem permanecer em suas casas, no ambiente onde já estão identificados”, opinou Tetê Santos.

Rosenildo da Silva, conhecido como ‘Careca’, trabalhava há 20 anos exclusivamente com revenda de água mineral na área, mas mudou sua vida ao conseguir o CredCidadão e ampliar seu negócio. “Assisti a palestras de como investir e trabalhar com o dinheiro, iniciei o processo e fui beneficiado. Investi em mercadorias, abri um pequeno mercadinho e minhas vendas aumentaram muito, assim como a minha renda. Hoje já tenho até abastecimento. Essas ações e essas obras ajudaram demais nossa comunidade. Hoje podemos ver a alegria dos nossos irmãos e vizinhos. É um trabalho maravilhoso esse feito pelo governo e que deixou a população muito feliz. 

Habitação – O trabalho de levantamento da área também foi feito porta a porta. Até o momento foram distribuídos 136 Cheques Moradia, num investimento de mais de R$ 1 milhão, e a última etapa será a regularização fundiária dessas pessoas.

“A demanda pelo Cheque Moradia aqui era muito antiga, mas não podíamos conceder o benefício em uma área de alagamento, pois quando iniciássemos o aterro em um local, o vizinho seria prejudicado. Então inicialmente foram realizadas as obras de drenagem, instalação de rede de esgoto e aterramento, para depois entrarmos com o Cheque. Hoje essa área virou um verdadeiro canteiro de obras. Para onde você olha, tem uma casa em construção. Em seguida, entraremos com treinamento de pintura para os moradores e as tintas. Cada um escolheu uma cor e essa área será toda colorida, trazendo uma nova vida para esse local”, finalizou Lene Farinha, diretora da Cohab.

Texto: Heloá Canali
Fotos : Cristino Martins